Capitalismo Neverland

Em 99% dos casos, as discussões em torno do sistema capitalista são chatas. Principalmente quando os envolvidos no debate são mais jovens e estão bêbados. Eu sou jovem, às vezes fico bêbado, mas vou me esforçar pra não ser chato.

O capitalismo é tão cruel e selvagem quanto qualquer outro sistema orgânico. O capitalismo faz o cara que tem um carrão se achar superior ao cara que está dentro de um ônibus. Faz o cara do ônibus se achar inferior ao cara do carrão. E claro, convence a sociedade inteira disso. O capitalismo sugere uma pergunta curiosa: como um animal mortal, do mesmo tamanho que você, pode exercer uma influência muito mais abrangente que a sua numa mesma sociedade? O que faz dois corpos do mesmo tamanho físico vibrarem de modo tão desigual num mesmo habitat?

O capitalismo tem um certo ritmo, uma dinâmica própria. Ele aniquila automaticamente quem o ignora. Ele só pode premiar quem joga no time dele, mas nem todos que jogam com ele são premiados. Podemos dizer que a natureza é o sistema animal. E que o capitalismo é o sistema humano. Ambos os sistemas são predatórios, arriscados e sem garantias. Ambos são anárquicos e despudorados em sua essência. Em ambos, só os caciques experientes colocam o ouvido no chão e preveem o próximo tsunami ou a próxima bolha financeira.

O capitalismo obriga as marcas a criarem auras mágicas em torno dos produtos. Quanto mais rica for a marca que você usa, maior é a sua proteção mística. O capitalismo cria um mundo tão encantado quanto o mundo de Alice. Os olhos das crianças vendo um pirulito brilham na mesma intensidade que os olhos dos homens vendo uma barra de ouro. O capitalismo resgata a emoção que o adulto perdeu na infância. Ressuscita a criança que mora dentro dele e faz isso muito bem com quadriciclos motorizados, mamadeiras alcoólicas, pozinhos mágicos e toda aquela nuvem mágica que existe ao redor dos logotipos de grife. A ostentação de poder é o bullying dos adultos.

O capitalismo é a forma que o homem encontrou para perpetuar sua infantilidade. O modo que o adulto achou de regar a secura de sua alma. A única saída para frear o excesso de razão que o apodrece a cada segundo. O capitalismo é o sistema que melhor se adapta a essa creche global que se auto-ajusta entre birras egocêntricas e chantagens atômicas. Somos filhos de uma terra sem pai, à deriva no mar negro do Espaço. Imploramos por uma ilusão que nos convença de que o mundo não é só um pedaço de poeira no meio do nada. Pagamos quanto for pra escapar desse deserto existencial sem fim. A sociedade do consumo desvairado é uma consequência inevitável do desespero humano. Fazemos qualquer negócio por um pouquinho de emoção.

3 comentários:

Squizo disse...

Genial. Incrível.

José Gabriel disse...

Infelizmente é assim

Karolina Pereira disse...

Ret, você acha que alguns sistema funcionária?

Postar um comentário